mensagem ao leitor

Obrigado por sua visita

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Projeto mês Cívico Escolar- Maranhão de Riquezas

Senhores (as) professores (as) da Regional de Zé Doca segue de autoria da SEDUC-MA o projeto Maranhão de Riquezas para desenvolvimento no período de 08-30 de setembro. 

Áurea Regina dos Prazeres Machado
Secretária de Estado de Educação do Maranhão


Fábio Rondon Campos Pereira
Secretária Adjunta de Gestão das Unidades Regionais de Educação


Maria Aparecida de Jesus Medeiros
Gestora da Unidade Regional de Educação de São Luís




                                           PROJETO MÊS CÍVICO ESCOLAR                                          
MARANHÃO DE RIQUEZAS E BELEZAS

1. APRESENTAÇÃO

O presente projeto pretende apresentar um conjunto de proposições para a realização da Semana da Pátria, denominada neste caso de Mês Cívico Escolar, dada a amplitude das comemorações da semana serem realizadas durante todo o mês de setembro.
O projeto terá como fio condutor a temática “Maranhão de Riquezas e Belezas”, que possibilitará a comunidade estudantil estudar e apresentar trabalhos científicos, culturais e artísticos da realidade maranhense em consonância com a brasileira.

2. JUSTIFICATIVA

A Semana da Pátria é uma ocasião propicia para reforçar a cidadania, divulgar nossos direitos e deveres, envolver-se na vida política do país, repensar conceitos e preconceitos às pessoas e suas diversidades e tomar atitudes positivas relacionadas aos direitos humanos, ao meio ambiente e a vida no planeta.
Nesse sentido, a Secretaria de Estado da Educação do Maranhão propõe celebrar a Pátria, com a temática “Maranhão de Riquezas e Belezas”, em todas as escolas do sistema estadual de ensinocom atividades cívicas que envolva toda a comunidade escolar e a comunidade do bairro em ações didático-pedagógicas, proporcionando, assim, ao cidadão compreender e atuar de forma crítica diante das transformações do mundo contemporâneo.

3. OBJETIVO GERAL

- Proporcionar aos alunos/as, docentes e equipe técnica pedagógica do sistemaestadual de Ensino a oportunidade de demonstrar à sociedade maranhense o conhecimento sobre ética, civismo e cidadania, história e diversidade cultural e social.

4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

-Estudar e pesquisar problemas da realidade maranhense;
- Produzir ações cívicas, no ambiente escolar, sobre a história, a política, a economia, a sociedade, a cultura e a arte maranhense;
- Compreender a natureza como um todo dinâmico, sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive;
- Identificar relações de conhecimento científico, cultural, artístico, produção de tecnologia e condições de vida no mundo atual e na sua evolução histórica;
- Saber utilizar conceitos científicos básicos, associados à energia, matéria, transformação, espaço, tempo, sistema, equilíbrio e vida;
- Formular questões, diagnosticar e propor soluções para problemas reais;
- Combinar leituras, observações, experimentações, registros, entre outros, para coleta, organização, comunicação e discussão de fatos e informações;
- Valorizar o trabalho em grupo, sendo capaz de ação crítica e cooperativa para a construção coletiva do conhecimento;
- Compreender a tecnologia como meio para suprir necessidades humanas;
- Produzir trabalhos científicos, artísticos e culturais nos mais variados suportes e técnicas;
- Realizar apresentações públicas dos produtos obtidos.

5. METODOLOGIA

O projeto, a custo zero, deverá ser realizado no período de 08 a 30 de setembro de 2015, com um cronograma pré-definido pela SEDUC, a partir dos Projetos propostos pelas escolas e por Regional de abrangência, culminando com um dia de parada cívica que contemple a comunidade do bairro e da cidade mãe, conforme cronograma:
- elaboração do Projeto Mês Cívico – agosto/setembro;
- apresentação do projeto das escolas as Unidades Regionais - setembro;
- apresentação do projeto as Regionais de Educação do Estado, via Vídeo- Conferência – agosto;
- apresentação da data de culminância do projeto em cada Regional a SEDUC, via e-mail, para programação de ação de divulgação e visita – primeira semana de setembro;
- culminâncias dos projetos nas escolas - setembro.

6. META

Pretende-se atingir todas as escolas da Rede Estadual de Ensino, beneficiando-se assim todo o alunado.

7. SUGESTÃO DE ATIVIDADES

As atividades sugeridas visam desenvolver diferentes competências e habilidades como ler e interpretar textos, imagens, mapas, gráficos, comparar informações, relacionar presente e passado, levantar hipóteses, criar produções artísticas e culturais a partir de cada disciplina do componente curricular da escola. As sugestões, abaixo, servem como material de apoio:
- criar um dicionário de códigos linguísticos dos termos falado na região;
- conceber um dicionário ecológico da região em estudo;
- produzir, com o celular, fotos, vídeos e filmes de curta duração sobre a região e/ou cidade estudada;
- resgatar e recriar contos que falam sobre a origem das cidades em estudo;
- realizar gincanas cívicas;
- produzir display e cartazes para divulgação das potencialidades turísticas das regionais e cidades participantes das mesmas;
- realizar oficinas de quadrinhos, pintura, desenho, dança, música, teatro, circo com alunos/as e comunidade, assim como, apresentação da produção em exposição e apresentações públicas;
- produzir listas, mapas, gráficos, tabelas com nomes de animais, árvores, plantas, rios povoados que estão extintos e em extinção;
- realizar campanhas solidárias de ação social com arrecadação de alimentos não perecíveis, roupas, livros e materiais didáticos para as cidades mais carentes;
- criar linha do tempo histórico das cidades em estudo;
- reunir documentos históricos das cidades e realizar uma exposição;
- realizar exposição de fotos, maquetes, pinturas, gravuras, desenhos, vídeos, contação de história, banner, leitura de mapas históricos dos sítios pré-históricos e ecossistemas que existem nas regionais;
- produzir campanha em defesa da preservação do patrimônio histórico, dos ecossistemas, parques nacionais, fauna, flora e rios;
- criar, produzir e apresentar gráficos, tabelas e mapas sobre estimativa da quantidade de indígenas, asiáticos, negros e brancos no passado e na atualidade que habitam o Estado do Maranhão;
- trabalhar com documentos históricos fazendo análises, debates, seminários, interpretações, leituras, textos, imagens e encenações, culminando com apresentações para a comunidade escolar e do bairro;
- apresentar biografia de personalidades históricas, artísticas, politicas, religiosas, sociais e educacionais que tenham contribuído para a formação social, cultural, educacional e econômica das cidades em estudo;
- apresentar em exposição bibliografia sobre as cidades pesquisadas;
- realizar em seminários, debates e encontros relatos de viagens;
- analisar gráficos, mapas e tabelas;
- criar jogos educativos, brincadeiras, gráficos, mapas e tabelas com números;
- analisar um telejornal sobre noticias das regionais e da região;
- relacionar parlendas, brincadeiras e contos populares que apresentam situações numéricas;
- criar calendários com datas comemorativas e cívicas das cidades em estudo;
- produzir painel demonstrativo de peixes mais pesados e de tamanho menores que habitam os rios das localidades pesquisadas;
- pesquisar e apresentar em público, nos mais variados suportes, poemas, letras de música, textos literários e teatrais que façam referências às cidades pesquisadas;
- montar um decantador de água potável;
- produzir um terrário;
- criar, produzir e montar espetáculos teatrais, musicais, circenses e de danças com abordagens sobre peculiaridades históricas, sociais, culturais e artísticas de cada cidade estudada.
O tema proposto pela SEDUC para ser desenvolvido nas escolas “Maranhão de riquezas e belezas” objetiva reafirmar a identidade de homens e mulheres maranhenses como construtoresda Nação Brasileira. A temática dividida em dezenove (19) sub-temáticas, é inspirada na estrutura organizacional das Unidades Regionais de Educação, que abordam aspectos da realidade econômica, histórica, social e cultural do Estado. Os mesmos serão estudados e produzidos pelas escolas da Regional a quem pertencem, possibilitando assim, uma maior abrangência das peculiaridades que compõem cada regional, assim, como apresentar proposições abordadas nos programas federais, estaduais e municipais relacionados a educação e ao social que são aplicadas e estudadas no âmbito escolar.

8. TEMA PROPOSTO
8.1. Maranhão de Riquezas e Belezas

O estado do Maranhão é único e diverso nos seus aspectos geográficos, culturais e sociais, possuindo uma paisagem dos mais variados biomas do Brasil, incluindo a floresta amazônica, pré-amazônica, vales, cerrados, semi-caatingas, rios, chapadas, cavernas, planícies, serras, cachoeiras, tabuleiros, praias, golfos, dunas, areais, lagos, lagoas, manguezais, coqueirais, palmeiras, igarapés e campos habitados por uma população miscigenada/mestiça, que evidencia sua história, cultura, arte e culinária nos modos de produção, saberes e fazeres.

8.2 SUB-TEMA: UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE ZÉ DOCA: O ECOTURISMO NO TERRITÓRIO MARANHENSE.

Vários municípios maranhenses possuem áreas para prática de esportes de aventura e de passeios ecológicos. Neste caso, a Regional de Zé Doca, realizará um estudo de quais cidades da região tem vocação para o ecoturismo.
Outras sugestões a serem trabalhadas:
- existem projetos de lei estadual/municipal de proteção ambiental nas cidades da região? Caso haja, que áreas são protegidas;
- que cidades possuem vocação para o ecoturismo sustentável;
- de que forma esses locais podem gerar trabalho e renda;
- de que forma o ecoturismo sustentável contribuiria para a melhoria do IDH das populações do ponto de vista socioeconômico;
- essas cidades tem potencial de captação turística e de desenvolvimento da indústria do turismo;
- listar produtos turísticos para a região como: cavalgadas, pesca, trilhas, mergulhos, motociclismo, gastronomia, artesanato, folguedos, festas religiosas, entre outros;
- as cidades estudadas tem infraestrutura turística;
- há políticas de incentivos fiscais que atraem ou fortalecem a instalação de produção de serviços nessas cidades;
- apresentar trabalhos que demonstre: a relação entre os efeitos da globalização e os meios geográficos das regionais e suas cidades; a economia maranhense no contexto da globalização; as mudanças no modo de vida e no espaço geográfico das cidades com as transformações tecnológicas;
- produzir tabelas e gráficos que apresentem taxas de natalidade, mortalidade, crescimento vegetativo, distribuição etária e sexual, crescimento demográfico, expectativa de vida, desemprego, êxodo rural, imigração, distribuição de renda nas populações mais pobres, fluxos migratórios no estado, no município e nas cidades em estudo.

9. AVALIAÇÃO

Será realizada de forma contínua durante todo o processo de desenvolvimento do projeto até a sua culminância com a apresentação dos produtos finalizados, observando-se os seguintes aspectos do individual e do coletivo:
- participação e emprenho de todos os envolvidos no projeto;
- solução das ideias em contexto com a dinâmica do ensino-aprendizagem;
- criatividade;
- organização do pensamento em articulação com os diversos saberes;
- originalidade;
- interpretação dos fatos;
- expressão escrita e oral;

10. REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO DE APOIO À MÚSICA E À ARTE DO MARANHÃO/AMARTE. Perfil Cultural e Artístico do Maranhão. São Luís: PHOCUS, 2006.
BANCO DO ESTADO DO MARANHÃO S.A. BEM. Arte do Maranhão 1940-1990. São Paulo: Spala, 1994.
BANDEIRA DE MELO. Magnólia Souza. Índice toponímico do centro histórico de São Luís. São Luís: Ed. Universidade Federal do Maranhão, 1991.
BARBOSA, Thucydides. Subsídios para a História de Balsas. Balsas: [s.n.], s/n.
BRAGA, Pedro. Pequena história da energia no Maranhão. São: Luís: Sioge, 1992.
BRASIL, Assis (Org.). A Poesia Maranhense no Século XX. Rio de Janeiro: Imago, 1994.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental.Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.
_____. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC/CNE, 2004.
_____. Conselho Nacional de Educação.  DiretrizesCurriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília: MEC/CNE, 2010.
_____. Secretaria de Educação Fundamental.Parâmetros Curriculares Nacionais. Tema Transversal. Brasília: MEC/SEF, 1998.
CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. CONECT: gramática reflexiva. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
_____. CONECT: texto e interação. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
_____. CONECT: literatura brasileira. São Paulo: Saraiva, 2011.
COUTINHO, Márcio. Grajáu [i.e. Grajaú]: um estudo de sua história. São Luís: Edigraf, 2006.
CRUZ, Arlete Nogueira da.Sal e Sol. Rio de Janeiro: Imago, 2006.
CRUZ, Magno José. A resistência do quilombo Frechal -a história da peleja dos negros e negras quilombolas contra um milionário opressor. São Luís: CNN, 2007.
ERNANI, e Floriano. Projeto Radix: Gramática. São Paulo: Scipione, 2015.
FRANCO, Raimundo Campelo. Veias do Rio Maracu – portifóliogeoambiental de Viana, polo turístico dos campos floridos na Baixada Maranhense. São Luís: Edufma, 2014.
FRANKLIN, Adalberto. Breve história de Imperatriz. Imperatriz: Prefeitura Municipal de Imperatriz, 2005.
GASTALDI, Maria Virgínia; GAY, Maria Regina Garcia. Projeto Buriti: matemática, São Paulo: Moderna, 2007. 1. ed. Vol. I, II, III, IV, V.
GOIFMAN, Felipe. Maranhão: um litoral de histórias e encantos. São Luís: Instituto Geia, 2009.
GOMES, Elir Jesus. Jesus Gomes: sua vida, seu sonho. São Luís: Gráfica Minerva, 2012.
IEZZI, Gelson et al. CONECT: matemática, ciências e aplicações. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
LOPES, Sônia; ROSSO, Sergio. Bio. volume 1. 1 ed. São Paulo, 2010.
LUCCI, ElianAlabi; BRANCO, Anselmo Laxaro; MENDONÇA, Cláudio. Geografia Geral e do Brasil - Ensino Médio. 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005. (Volume único).
MACEDO, Eurico Teles de. O Maranhão e suas Riquezas. São Paulo: Siciliano, 2001.
MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. Memória histórica e documentada da Revolução da Província do Maranhão desde 1839 a 1840. São Paulo: Siciliano, 2001.
MARANHÃO. Arquivo Público do Estado do Maranhão. Repertório de Documentos para a História da Escravidão no Maranhão: 1754-1870. São Luís: SECMA. Vol. I, 2012. 
_____. O Negro e o Índio na Legislação do Maranhão Provincial 1835-1889. São Luís: SECMA, 1992.
_____. Repertório de Documentos para a História Indígena no Maranhão. São Luís: SECMA, 1997.
_____. Invasão do Quilombo Limoeiro 1878. São Luís: SECMA, 1992. 
_____. Documentos para a História da Balaiada. São Luís: SECMA, 2001.
_____. Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão. Pesquisadores do Maranhão. São Luís: FAPEMA, 2013. 
_____. Secretaria de Estado da Educação do Maranhão. Diretrizes Curriculares. 3. Ed. São Luís: SEDUC, 2014.
MARQUES, César Augusto. Dicionário Histórico e Geográfico da Província do Maranhão. Rio de Janeiro: Cia. Editora Fon-fon e Seleta, 1970.
MEDEIROS, Raimundo; ARAÚJO, Linhares José. Álbum de Caxias: a princesa do sertão. São Luís: Edufma, 2014.
MEIRA, Bea. Projeto Radix: arte. 7º ano. São Paulo: Scipione, 2015.
MELO, Álvaro Urubatan. São Bento dos Peris: água e vida - dois séculos de informações. São Luís: Academia Sambentuense, 2005.
MORAES, Jomar. Apontamentos de literatura maranhense. São Luís: Sioge, 1977.
_____. Guia de São Luís do Maranhão. São Luís: legenda, 1995.
NAPOLITANO, Marcos; VILLAÇA, Mariana. Históriapara o Ensino Médio. São Paulo: Atual, 2013.
NASCIMENTO, Maria Nadir. Geografia do Maranhão. São Paulo: FTD, 2001.
_____. História do Maranhão. São Paulo: FTD, 2001
NUNES, Isaurina de Azevedo (Org.). Olhar, memória e reflexões sobre a gente do Maranhão. São Luís: Comissão Maranhense de Folclore, 2003.
OLIVEIRA, Veruska. Terra das Palmeiras: as quebradeiras de coco babaçu do Estado do Maranhão. São Luís: Vale do Rio Doce/Gráfica Santa Marta, 2011.
_____. Quilombos do Maranhão: um retrato. São Luís: Vale do Rio Doce/Gráfica Santa Marta, 2014.
PEREIRA, Ana Maria; SANTANA, Margarida; WALDHELM, MÔNICA. Coleção Perspectiva: ciências: volume. 1. ed, São Paulo, Editora do Brasil, 2009.
RAMALHO, Nicolau e Toledo. Físicaos Fundamentos da Física. 10 ed. São Paulo: Moderna, 2009.
RAMOS, Roberto Santos. Nas águas de Guimarães: os desafios da pesca artesanal. São Luís: edufma, 2014.
REIS JR, José Sérgio do. Nos Desvão do Alto Itapecuru. São Luís: Sioge, 1980.
SOCIEDADE MARANHENSE DE DIREITOS HUMANOS. Frechal Terra de Preto: quilombo reconhecido como Reserva Extrativista. São Luís: SMDH/CNN – Projeto Vida de Negro, 1996
SOUSA, Paulo Melo (Org.). Arte: nas Mãos – mestres artesãos maranhenses. São Luís: SEBRAE, 2007.
TROVÃO, José Ribamar; FEITOSA, Antonio Cordeiro. Atlas Escolar do Maranhão: espaço geo-histórico e cultural. João Pessoa: Grafset, 2006.
USBERCO e Salvador. Química Geral. 14 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
Periódicos:
Folha da Academia Arariense-Vitoriense de Letras-AVL.
Suplemento, Cultural e Literário JP Guesa Errante: anuário. São Luís: Jornal Pequeno, 2002. (Todos os números).
Panorama da Literatura Maranhense. CEUMA, 2000.
Meio eletrônico:
htt://www.avlma.com.br – sobre a Academia Vianense de Letras.
htt://www.perfilcultural.com.br  - sobre arte e cultura maranhense.
htt://www.geiaplural.org.br – revista eletrônica sobre arte e cultura maranhense.
htt://www.youtube.com/watch?v=F6pRqkZEky4 – vídeo Tyruti (índia maranhense).
https://pt.wikipedia.org/wiki -todos os municípios maranhenses.
adalbertofranklin.por.com.br – assuntos diversos da cidade de Imperatiz.
adalbertofranklin.por.com.br/2013/historia-de-imperatriz-livros-para-download.
aldeiamaracu.org.br/aldeia.html  – sobre a cidade de Viana.
averequete.blogspot.com.br – sobre arte e cultura maranhense.
recantodopoetabalsense.blogspot.com – arte, cultura e história da cidade de Balsas.
sinalverdedecaxias.com – sobre arte, cultura e história da cidade de Caxias.
velhaguardacaxiense.com - sobre arte, cultura e história da cidade de Caxias.
vianensidades.blogspot.com - sobre arte, cultura e história da cidade de Viana.
vimarense.zip.net - sobre arte, cultura e história da cidade de Guimarães.
zedoca.ma.gov.br - sobre a cidade de Zé Doca.
Vídeos e filmes:
BORGES, Celso. Bandeira de Aço. 19’. Sobre a música maranhense.
COELHO, Ione. Tyruti. 15’. Biografia de uma índia maranhense.
CUNHA, Ana Stela e SIMÃO JUNIOR, Vicente. João da Mata – O Caboco da Bandeira. 26’. Sobre religião afro-brasileira.
HAICKEL, Joaquim.
Guerra dos Mundos no Maranhão. 35’.
MACHADO, Frederico.
Litania da Velha. 15’. Sobre poema homônimo de Arlete Nogueira da Cruz.
O Exercício do Caos, 71’. Adaptação da obra Vela ao Crucificado de Ubiratan Teixeira.
MARTINS, Milton. Bendito de São Benedito. 29’. Sobre a religião católica.
SANTOS, Murilo
O Massacre de Alto Alegre. 55’. Sobre o tradicional conflito interético entre o povo Tenetehara-Guajajara e os “brancos” na região de Barra do Corda no Maranhão e seus desdobramentos nos dias atuais.

Terra de Quilombo: uma dívida histórica. Documentário sobre a comunidade negra rural de Alcântara que discute a questão de ressemantização do termo quilombo. A questão histórica dessas comunidades, conflitos com a implantação da base espacial.

Diga não ao Abuso Sexual.

Casa de Jorge. 1’.

Araweté. Sobre tribo indígena maranhense.

Ninguém Come Carvão.

Três vezes Violência.

Na Terra de Caboré. Sobre conflito agrário.

Quem Matou Elias Zi? Sobre conflito agrário.

A Peleja Contra o Homem Que Queria Ser Dono do Mundo. Desenho Animado em 16mm. Em uma assembleia geral lavradores protestam contra o assassinato de um líder sindical do município de Bom Jardim, em virtude da grilagem reinante no Estado.

ROMILDO, Andeolli. Lendas do Maranhão. 29’50”.
Série Essa é a minha Cultura – vídeos sobre personalidades da arte e cultura maranhenses. 2’.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

seu comentário passará por uma análise da redação brevemente será publicado